quarta-feira, 3 de abril de 2013

O vento do outono

    O outono chega e traz consigo ventanias, árvores mais secas, folhas caindo, paisagens bonitas e a doce Páscoa. 
  Tempo de transformação, mudança, interiorização, crenças, reflexão, busca, comemoração e chocolates. Cada um vive de uma forma, crê em algo, comemora de um jeito e tem total liberdade para isso.
   Desde que começou esse período pascal fiquei pensando como abordar o assunto com uma criança de dois anos. Não gosto de toda essa apelação comercial, ovos de chocolate, coelho, cenoura e tudo mais que envolve essa época. Nada disso parece fazer sentido, sem contar nos excessos de doces e guloseimas!
   Fiquei pensando em como contar a história da Páscoa para o Nathan. Como somos cristãos gostaria de mostrar o verdadeiro significado da data, mas para ele ainda é incompreensível o significado da morte e muito complexo também. No Natal foi mais fácil, pois dizer para ele que era o aniversário de Jesus foi uma festa e teve até bolo. Mas como explicar a morte e ressurreição? E como explicar o significado do coelho, dos ovos e do chocolate? 

   
   Bem, já estava desistindo e desanimada, apesar de estarmos confeccionando casquinhas com guache e papel de seda. Mas, após algumas conversas virtuais, recebi dicas preciosas que deram um novo significado para o momento.

    Começamos na semana da Páscoa com uma mudança de cenário em nossa casa. Situei o Nathan na época do ano que estávamos. “No outono as árvores secam, as folhas caem no chão. Que tal colhermos algumas folhas para montarmos um cantinho do outono na nossa casa?”. E assim começou o outono dentro de nossa casa, com folhas e galhos colhidos no parque. Um tapete gostoso para sentar e cestinhas para acolher o que foi colhido. Fui criando alguns detalhes, incrementando, juntado uma coisa na outra e aos poucos nosso cantinho foi criando forma.
   Outra dica preciosa foi que nessa idade a criança realmente não consegue compreender o significado da Páscoa, mas consegue vivenciar, através de histórias que representem esse momento, características dessa época do ano (nesse caso as folhas e galhos) e, principalmente, a vivência dentro de casa, daquilo que acreditamos no nosso dia-a-dia. É isso que a criança absorve e entende.
   Então, uma boa história é a da lagarta que se transforma em borboleta. Comecei contando antes de dormir e o Nathan ficou encantado com a lagarta que entrava no casulo e virava borboleta. Depois, uma lagarta apareceu no cantinho do outono. Ao longo da semana, confeccionei o casulo e a borboleta e logo, tínhamos ali no nosso cenário a história costurada em feltro. E isso rendeu muitas brincadeiras, junto com os inseparáveis pastor e ovelha que andam com o Nathan por toda a casa.

   
   No dia da Páscoa, um ninho de palha com as casquinhas da mamãe, do papai e do Nathan, com a explicação de que dávamos ovinhos para as pessoas. E assim demos ovinhos pintados por nós para todos nossos queridos, não só recheados de chocolates, mas com muito amor e carinho, feito a mão, representando o momento que vivemos.
   Para mim, a Páscoa é muito mais que chocolate, assim como o Natal é muito mais do que presentes. Tudo tem que ser vivido com muito amor, sem aquela sequência de fatos que o mundo sugere que vivamos. Tento viver dessa forma e ensinar isso para meu filho. Cada casquinha que pintávamos ele dizia para quem era. Cada item do nosso cantinho foi colocado por nós de um jeito que ficasse bonito e agradasse a todos. Nosso cenário é um novo canto de brincadeiras e uma forma de trazer a natureza linda para dentro de nossa casa, já que quando olhamos pela janela basicamente só vemos prédios.
 
   Percebi que mudar o cenário da casa, assim como a natureza muda, faz o nosso dia mudar. Olhar algo diferente feito por nós. Oferecer um novo cantinho de brincadeiras, onde a criança pode juntar seus brinquedos com o que trouxe da rua e disso criar uma nova história é fantástico. As conchas do mar já viraram comida para todos, os galhos de alecrim comida para a ovelha. O cenário já recebeu galos, galinhas, pastores, ovelhas e acredito que muito mais.
   O outono traz seu vento de mudança... as folhas caem, mas as árvores permanecem. As plantas secam, mas suas raízes continuam no mesmo local. Assim sou eu... mudando dentro, mas no mesmo lugar, na mesma casa, mas com cenário diferente. Por enquanto os ventos me mantêm aqui. Às vezes os ventos são tão fortes que levam as plantas longe. Mas isso não importa! Apenas é necessário sentir o vento, deixá-lo bater e levar algumas coisas para em seguida trazer outras.

“Somos folhas ao vento, pois não podemos traçar nosso destinos, 
apenas viver o que nos foi permitido...”


   E depois de tudo isso, numa visitinha a uma querida amiga, eis que vemos num galho de árvore o verdadeiro casulo com a borboleta. A natureza é maravilhosa! Agora só falta o Nathan conhecer a lagarta!



Feliz Páscoa! Bem-vindo outono!

...

3 comentários:

  1. Oi, Fernanda ! Que maravilha ! Estivemos juntas no forum e fico feliz que tenha conseguido trazer toda essa riqueza para o pequeno. Quanto menos intelectual e explicativo...melhor ! E sempre as situações acabam colaborando e enriquecendo ,não é mesmo ? Se quiser acompanhar-nos visite http://umolharwaldorf.blogspot.com.br e http://tecendohistorias.blogspot.com.br Ficarei honrada com a visita ! Bjs< Betty Mello

    ResponderExcluir
  2. Adorei!
    Muito lindo, parabéns!!!
    Feliz outono pra vcs.

    ResponderExcluir